Resenha: A última dança / Isabela Delezzott

Resenha: A última dança / Isabela Delezzott

Resenha 🌷

resenhameuromeo

450 páginas // Isabela Delezzott
Olá leitores, hoje trago a resenha do livro A ÚLTIMA DANÇA, que eu li em parceria com a autora, Isabela Delezzott.

Desde pequena Raquel já sabia o que queria fazer para o resto de sua vida: ser bailarina.

E seus sonhos estavam sendo realizados, ainda mais agora que foi escolhida para estrelar Romeu e Julieta.

Contudo, uma lesão acaba colocando fim em seu maior sonho, e ela sabe que jamais conseguirá seguir a profissão que tanto ama.

Sem perspectivas, ela retorna ao Brasil, para reencontrar sua irmã, que tanto e que tanto fez por ela ao longo dos anos.

Entretanto, ao chegar aqui, ela encontra sua irmã chateada, por mais uma fertilização in vitro malsucedida.

E apesar de seus sonhos terem sido tirados de si, ela vê que pode ajudar sua irmã a realidade o maior sonho de sua vida, que é ser mãe.

Para isso, ela aceita ser sua barriga solidária.

Porém, o que ela não esperava, era que Lorena fosse morrer inesperadamente, e ela tivesse que superar sua morte, além de ter forças para criar um bebê, ao lado do marido de sua irmã, que está completamente perdido pela dor.

Juntos, Raquel e Bruno, terão que aprender a ser fortes, a superar toda a dor, aceitarem o que o destino reservou para eles, além de tentar entender um sentimento que acaba surgindo com o passar dos dias, e que parece os corroer por culpa e medo em relação ao futuro.

🌷Quando a Bela falou comigo sobre esse livro, eu fiquei super curiosa em como ela iria desenvolver essa história, porque eu fiquei imaginando em como os personagens iriam reagir a todos os percalços do caminho, além é claro, de um sentimento novo que acaba surgindo.

E posso garantir a vocês, que a autora escreveu essa história com maestria.

Eu senti o tempo todo, como se tudo o que eles tivessem passando, fosse uma obra do destino.

E que destino!

Sabe quando você está lendo um livro, e percebe que seu coração vai se enchendo todo de amor? Aconteceu isso comigo.

O início me destruiu. Eu senti a dor da Raquel, não somente por ver seu sonho de dançar ser destruído, mas também como ela conseguiu ser forte com a perda da irmã, e que, ao mesmo tempo, foi uma mulher guerreira, e que apesar de tudo o que estava vivendo, arrumou forças para superar e para seguir em frente.
Foi impressionante o quanto mesmo ela sendo jovem, ela foi madura e mesmo triste, não se deixou derrubar pela dor.

O Bruno, já foi um personagem que viveu com uma culpa, de algo que ele não tinha relação, mas que mexeu mesmo assim muito com ele. E isso mostrou em como cada pessoa sente o luto de forma diferente.

E o relacionamento deles foi algo tão natural, tão sereno, simples, encantador… Dava para sentir que não foi nada programado, ou forçado.
E devo isso, muito a forma como a autora conseguiu pautar o relacionamento deles com respeito e confiança.

Confesso que tive medo de não entender o sentimento deles, mas foi impossível não entender, porque foi tudo tão lindo, que em vários momentos eu me emocionei, em ver que mesmo com as perdas que surgem no nosso caminho, a nossa vida tem que continuar e que temos que nos permitir ser felizes outra vez.

Nem sempre o amor está onde nós esperamos.
Nem sempre a nossa alma gêmea está ali livre para nós, e nem sempre precisamos entender o porquê das coisas.

Às vezes, o porque está em simplesmente ser… em se deixar levar.

Esse casal me tocou demais, e de uma forma tão grande, que enquanto escrevo isso está resenha, meus olhos encheram de lágrimas, por ver que o amor, ele sempre vence.

Não importam o que digam, o amor sempre vencerá, e que às vezes a nossa alegria está onde menos imaginamos.

E por fim, volto a reafirmar: essa história com certeza tem a capacidade de encantar o leitor por sua sensibilidade e amor.

Resenha: Um coreano em minha vida / Katherine L. Leighton

Resenha: Um coreano em minha vida / Katherine L. Leighton

Resenha 🌷

433 páginas // Katherine L. Leighton
Olá leitores, hoje trago a resenha do livro UM COREANO EM MINHA VIDA, que eu li em parceria com a autora, Katherine L. Leighton.

Elleanor quando criança era uma menina doce, delicada e baixinha, que não sabia como lidar com o poder que lhe foi imposto.
Ela era uma nacromante, e não sabia como viver sua vida com aquele poder tão desconhecido.

E quando seu caminho se cruzou com o de Park Jae Young, um sul coreano que havia acabado de chegar ao Brasil, ela viu nele um amigo em quem podia confiar e que ajuda a entender seus sentimentos.

Porém, devido a alguns problemas na família de Park Jae, ele foi enviado por seu pai de volta à Coreia.

Vinte e três anos depois, ele está de volta ao Brasil, e por mais que seja difícil se manter longe de Elleanor, mágoas e promessas quebradas no passado, acabam ficando entre eles.

Contudo, um acidente parece por tudo a perder, e ambos terão que contar um com a ajuda do outro, para quem sabe assim, entenderem mais sobre suas vidas, sobre os poderes de Elleanor, e também sobre um mundo totalmente desconhecido para a maioria de nós.

🌷Dorameira que sou, claro que fiquei super empolgada com essa história, certo?

Quem me conhece, sabe que eu sou uma viciada em doramas, muito por causa da cultura dos personagens e o jeito com que eles lidam com várias questões diferentes das que lidamos.

E nessa história, conhecemos o nosso apaixonante Park Jae, um coreano fofo, cavalheiro, encantador e protetor.

E como eu me apaixonei pelo jeitinho dele durante toda a história.

A Elleanor é uma personagem muito forte, e que aprendeu a lidar com o poder que lhe foi oferecido, e que no decorrer de sua vida, ajudou muitas almas que precisavam de um direcionamento para encontrarem “a luz”.

Eu gostei muito da dinâmica do casal, e da forma como ambos conseguiram se conectar e da ligação de almas que eles tinham.

E como está história tem um certo nível de magia e fantasia, foi super gostosa de acompanhar.

Em vários momentos eu me vi ali imaginando essa história sendo adaptada para um seriado, e pensando em como seria mágico tê-la ali.

A autora conseguiu trazer um tema que eu ainda desconhecia, e que me trouxe tanta vontade de saber mais, que eu fico correndo no Google desbravar tudo o que podia.

O melhor de tudo, é que o livro está disponível no Kindle Unlimited e também está em pré-venda o físico que sairá pela @editoraarcadia. Eu já vi a prévia dele e posso garantir pra vocês que a edição física está um primor.

Então, para quem ama um boa história com duas culturas diferentes, e que unem um pouco de fantasia com realidade, é com certeza uma ótima pedida para ler.

Resenha: Paris é para sempre / Ellen Feldman

Resenha: Paris é para sempre / Ellen Feldman

Resenha 🌷

240 páginas // Ellen Feldman // Editora Vestígio
Olá leitores, hoje trago a resenha do livro PARIS É PARA SEMPRE que eu recebi e li em parceria com a Editora Vestígio.

Charlotte é judia e vive com sua filha, Vivi em Paris, onde trabalha em uma livraria durante toda a Segunda Guerra Mundial.

Com milhares de parisienses sob a ocupação alemã, ela enfrenta muitas dificuldades para criar sua filha, que nasceu no início do conflito.

Contudo, o que ela não esperava, é que mesmo com sua vida atribulada, ela fosse descobrir um novo amor.

Com a vitória dos Aliados, e a retirada dos alemães de Paris, ela parte para Nova York, como judia exilada, e inicia uma nova vida da qual jamais pensou iniciar.

Porém, tudo o que viveu em Paris, jamais sairá de sua mente, afinal, Paris é para sempre.

🌷Este foi com certeza um dos melhores livros que tive a oportunidade de ler este ano.

Quando recebi o convite da editora de ler a prova antecipada, fiquei super animada, porque o tema dele sempre me deixa empolgada, porque não tem como não ler sobre a Segunda Guerra e não ficar desta forma.

E Paris é para sempre, é aquele típico livro que consegue nos prender do início ao fim.

Ver as ‘nuances’ da Charlotte durante toda a narrativa, foi incrível para mim.
Acompanhar um pouco do que ela viveu, só me mostrou que nem sempre sabemos tudo o que uma pessoa viveu.
Ela pode te contar algumas partes de sua vida, mas certas coisas jamais saberemos.

Eu vi ela muito como uma anti-heroína. Ela tomou decisões que talvez eu não tomasse, mas que me fizeram pensar muito sobre o que eu faria de diferente se estivesse em seu lugar.

É a história de uma mulher que errou em certos momentos e que vive com a culpa referente a atitudes que tomou, e que só me mostrou, que todos somos humanos e podemos errar, e que às vezes as consequências de nossos atos, podem nos seguir onde estivermos.

É um livro empolgante, sofrido na medida certa, afinal, não temos como falar dessa época, como se fosse uma época feliz.

Mas, acima de tudo, é um livro necessário, e que para mim, se tornou uma leitura obrigatória, para os amantes de livros ambientados nesta época.

E não se esquema ao ler:
Paris é para sempre.

Resenha: Ruína e ascensão / Leigh Bardugo

Resenha: Ruína e ascensão / Leigh Bardugo

Resenha 🌷

336 páginas // Leigh Bardugo // Planeta Minotauro
Olá leitores, hoje trago a resenha do livro RUÍNA E ASCENSÃO, terceiro livro da série Grishaverso, recebido em parceria com a Editora Planeta Minotauro, e que foi lido pela colaboradora, Ale.

Se você não leu os dois livros anteriores, está resenha pode conter spoiler.

Após o último embate com Darkling, Alina se vê encurralada no subsolo, tentando recuperar as forças para salvar Ravka das garras de seu oponente.

Sob a proteção e a vigilância do Apparat, Alina atinge outro status agora não é somente a Conjuradora do Sol, mas sim uma Santa que carrega em seus ombros a esperança de fiéis que rezam por um futuro mais brilhante. No entanto, invocar a luz nunca foi tão difícil.

Com o futuro do país em suas mãos, Alina partirá em busca do terceiro amplificador de Morozova, o mitológico pássaro de fogo, com o objetivo de derrotar o Darkling e libertar Ravka de uma vez por todas.

🌷Que trilogia maravilhosa!
Eu adorei absolutamente tudo nessa trilogia: as histórias, a narrativa, os vilões, os grishas e, além disso, tudo o que mais amei foi o nosso casal Alyna e Maly.

Apesar de muita gente julgar que o casal não tem química, e que o romance demora a acontecer, eu sempre shippei muito estes dois juntos.

Para mim, os dois tem uma conexão de alma gêmea, e que possuem um amor que está ali para cuidar, preservar e ajudar em todos os momentos.

E neste livro em específico, o amor de Alina e Maly, enfrenta barreiras e questões que colocam a relação a prova a todo momento, mas que consegue superar todos os obstáculos que surgem.

“Eu permanecerei ao seu lado, Alina… enquanto você deixar.”

Já sobre os outros personagens, o Darkling em especial é um vilão com “V” maiúsculo, com direito a destruição, muitas mortes, e vinganças sem piedade.
Ele é altamente egocêntrico, onde ele pensa única e exclusivamente somente em si mesmo.
E eu confesso que amei o final dele, apesar de saber que muitos
queriam um final diferente.

Outro personagem que gostei bastante, foi o Nikolai, no qual eu gostaria muito que tivesse só um livro dele, já que ele é um amigo fiel e amoroso com a Alina e toda a sua gangue.
E apesar de algumas decisões que ele queria tomar, ele sempre respeitou o amor da Alina com o Maly.

Por fim, amei absolutamente tudo.
A história foi coerente, coesa e muito rápida.
A autora não enrola, e não estende a narrativa em cenas irrelevantes.

Eu fiquei com frio na barriga em vários momentos, e feliz de ter acompanhado um amor de alma lindo entre os protagonistas, e que teve um final de arrepiar.

Foi um final tão incrível, sendo difícil não derramar lágrimas no epílogo, tamanha foi a emoção que senti.

Então, Netflix… já estou prontinha aguardando a continuação da série também, para assim poder matar a saudades destes personagens que tanto amei.

BOX – O povo do ar

BOX – O povo do ar

Os três volumes da série O povo do ar e o spin-off reunidos pela primeira vez em um box com conteúdos especiais. O conto inédito “As irmãs perdidas”, o mapa de Elfhame atualizado no verso das capas, uma capa nova para O canto mais escuro da floresta, e brindes como uma cinta em formato de coroa de papel, marcadores, pôster exclusivo com uma fan art da Arda Arts e uma flâmula.

Na série O povo do ar, a autora best-seller Holly Black transporta os leitores para Reino das Fadas. Não aquelas dos contos clássicos, fadas que podem ser cruéis e mortais, especialmente se motivadas pelo poder. Uma aventura que mistura magia, intrigas palacianas e romance.

O canto mais escuro da floresta (294 pág.)

Hazel e seu irmão, Ben, moram em uma cidade onde humanos e fadas convivem. A magia aparentemente inofensiva desses seres atrai turistas de todas as partes, que querem ver de perto as maravilhas do lugar e, principalmente, o garoto de chifres e orelhas pontudas que descansa em um caixão de vidro. Hazel e Ben eram fascinados pelo garoto quando crianças. Mas, eles sabem que o garoto de chifres nunca acordará… Até que um dia ele acorda. Agora, os irmãos precisam se tornar os heróis que fingiam ser e desvendar os mistérios que envolvem aquele príncipe com chifres.

O príncipe cruel (360 pág.)

Jude tinha 7 anos quando seus pais foram assassinados e foi forçada a viver no Reino das Fadas. Dez anos depois, tudo o que ela quer é ser como eles – lindos e imortais – e realmente pertencer ao Reino das Fadas, apesar de sua mortalidade. Para ganhar um lugar na Alta Corte, ela deve desafiar o Príncipe Cardan, o filho mais bonito e mais cruel do Grande Rei… e enfrentar as consequências.

O rei perverso (320 pág.)

Jude achou que, depois de enganar Cardan para que ele jurasse obedecê-la por um ano e um dia, sua vida se tornaria mais fácil. Mas ter qualquer influência sobre o Grande Rei de Elfhame parece uma tarefa impossível, principalmente quando ele faz de tudo em seu poder para humilhá-la e prejudicá-la, mesmo que seu fascínio pela garota humana permaneça intacto.

A rainha do nada (294 pág.)

BJude carrega o outrora impensável título de Grande Rainha de Elfhame, mas as condições são longe de ser ideais. Exilada por Cardan no mundo mortal, Jude se encontra impotente e frustrada enquanto planeja reivindicar tudo que Cardan tomou dela.